Início » Finanças » Entregar o IRS conjunto ou separado?
Finanças Finanças Pessoais Nacional

Entregar o IRS conjunto ou separado?

IRS-conjunto-separado

Entregar o IRS conjunto ou separado? Desde que, em 2017, o Fisco passou a possibilitar que os contribuintes escolham entregar o IRS junto o separado que esta é uma pergunta que assalta a mente de muitos casais casados ou em unidos de facto.

A resposta não é imediata, uma vez que, como veremos ao longo deste artigo, a melhor opção irá sempre depender dos rendimentos de cada um e depende das despesas que têm.

Entregar o IRS 2022 em conjunto ou em separado?

Agora que se iniciou o prazo para a entrega da declaração do IRS 2022, esta opção, válida tanto para casados como para unidos de facto, volta à baila. Como referimos, tudo irá depender dos rendimentos e despesas que cada elemento do casal tenha.

  • Entrega da declaração de IRS 2022 em separado

Em termos práticos, sempre que declara as suas despesas sozinho, está a assumir-se como único responsável pelos seus rendimentos e despesas durante o ano que passou.

Traduzindo, isto significa que ficará sujeito a uma taxa em função do seu rendimento coletável após aplicação do quociente familiar. A entrega das declarações em separado significa, também, que as deduções automáticas com dependentes e ascendentes são divididas em 50%, para cada um dos membros do casal, assim como as despesas associadas (despesas com saúde e educação dos filhos, por exemplo).

Caso existam filhos e de forma a aumentar os benefícios daqui decorrentes, ao optar por submeter a declaração em separado, os filhos podem ser distribuídos (por exemplo, um por cada declaração).

Se só existir um filho, em situações de entrega de IRS separado, o melhor a fazer é adicioná-lo à declaração do elemento do casal que tiver maiores rendimentos, uma vez que será ele que mais beneficiará das deduções bonificadas.

  • Entrega da declaração de IRS 2022 em conjunto

A entrega do IRS em conjunto é, normalmente, mais vantajosa quando existem diferenças significativas entre os rendimentos dos cônjuges ou unidos de facto, ou quando um deles não tem qualquer rendimento.

Isto acontece porque, na entrega em conjunto da declaração de IRS, é aplicada apenas uma taxa de IRS ao conjunto do rendimento coletável, após aplicação do quociente familiar. Traduzindo, isto significa que o elemento do casal que ganha menos acaba por pagar uma taxa mais alta, mas o que recebe mais é tributado a uma taxa inferior à que teria em caso de tributação separada.

Nesta opção, as deduções automáticas com dependentes e ascendentes e as despesas do agregado são incluídas, totalmente, na declaração única.

Nota: 

Os contribuintes abrangidos pelo IRS Automático não tem de fazer quaisquer contas para saber se compensa mais fazer o IRS em conjunto, ou em separado. No período de entrega da declaração do IRS, o Fisco irá disponibilizar três declarações provisórias de rendimentos (uma para a tributação conjunta e duas para a tributação separada) e as respetivas liquidações para que possa optar pelo que compensar mais para o seu agregado.

Conclusão

Como vimos, se, na maioria dos casos, compensa entregar a declaração de IRS em conjunto, existem casos específicos em que a melhor opção a tomar é a entrega em separado, em especial quando os valores de dedução à coleta ultrapassam os limites estabelecidos, limites que não duplicam quando se entrega o IRS em conjunto.

Assim, antes de escolher entre a entrega de IRS conjunta ou separada, faça uma simulação para si, outra para o seu parceiro e uma terceira para os dois em conjunto.

Depois compare a soma do que iam receber ou pagar individualmente com o que pagariam ou receberiam em conjunto e opte pela solução que lhe traga mais benefícios financeiros.

Publicidade

Publicidade