Início » Notícias » Autoridades francesas travaram vários ataques islamitas desde 2017
Internacional Notícias

Autoridades francesas travaram vários ataques islamitas desde 2017

Autoridades francesas

De acordo com o ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, as autoridades francesas travaram 37 ataques terroristas islamitas desde 2017, conseguindo, igualmente, reduzir em 17% o número de atos anti-religiosos em 2021.

Gérald Darmanin afirmou, esta terça-feira, que as autoridades francesas foram capazes de impedir 37 ataques por parte de grupos terroristas islâmicos nos últimos quatro anos, sendo que evitaram, de igual forma, seis ataques planeados por organizações de extrema-direita.

Em comunicado, o ministro do Interior francês referiu que “A ameaça de extrema-direita existe. Mas a islâmica é muito forte”.

Darmanin especificou que o principal risco é “endógeno”, isto é, segundo o próprio, por parte de alguém que “pega numa faca ou numa espingarda e decide agir contra um judeu, um cristão, um bar homossexual ou um local de diversão frequentado por jovens”.

No caso da “ameaça que chamamos de exógena, de pessoas coordenadas vindas de outro país (…), como foi o caso do Bataclan (novembro de 2015), não é impossível, mas está enfraquecida”, clarificou, revelando, ainda, que o período do Natal “é muito complicado” em termos de segurança.

O ministro do Interior divulgou, igualmente, que, de janeiro a outubro de 2021,  cerca de 1.400 atos antirreligiosos foram registados em território francês, representando uma queda de 17,2% relativamente ao mesmo período no ano de 2019.

De acordo com os mesmos dados, tiveram lugar, em França, 86 ações anticristãs, comparativamente a 921 em 2019, 523 antissemitas, revelando uma queda de 15%, e 171 anti-muçulmanas, o que implicou um aumento de 32%.

Com base nestes dados do Ministério do Interior, o governo francês anunciou o início de um processo de encerramento administrativo, de até seis meses, da mesquita de Beauvais, considerando que os seus sermões, por atacarem “cristãos, homossexuais e judeus”, são “inaceitáveis”.

Subscreva para receber notícias semanais e campanhas especiais.

Escrito por João Serra

Publicidade

Publicidade