Início » Notícias » Dilma Rousseff visa Michel Temer: “Relembro que a História não perdoa a prática da traição”
Internacional Notícias

Dilma Rousseff visa Michel Temer: “Relembro que a História não perdoa a prática da traição”

dilma rousseff

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff, visou Michel Temer em carta aberta, depois das declarações do seu precursor no cargo.

“Eu agradeceria que o senhor Michel Temer não mais buscasse limpar sua inconteste condição de golpista utilizando minha inconteste honestidade pessoal e política”, afirmou Dilma Rousseff, citada pela agência Lusa.

Esta carta aberta surge um dia após Michel Temer ter considerado Dilma “honestíssima”, negando ter executado um golpe parlamentar contra a antiga presidente brasileira.

Dilma Rousseff, que exerceu o cargo desde 2011 até ao seu afastamento, em 2016, por um processo de impeachment (que muitos na esquerda consideram ter sido um golpe), considerou, ainda, que é “de todo inócuo afirmar que não houve um golpe, pois este personagem se ofereceu como vice-presidente por duas vezes”.

Recorde-se que, na quinta-feira, Michel Temer, também ex-detentor do cargo de presidente do Brasil, negou a existência de qualquer golpe.

“Não houve golpe, o que houve foi um cumprimento da Constituição Federal. Basta ler lá, está dito, que se o Presidente cair assume o vice-presidente, primeiro ponto. Segundo ponto, eu quero dizer que a senhora ex-presidente, às vezes falam em corrupção, é mentira. Ela é honesta. Eu sei, o que eu pude acompanhar, que não há nada que possa apontá-la de corrupta. Para mim (Dilma) é honestíssima”, disse, numa entrevista ao portal de notícias “Uol”. 

Na mesma entrevista, Temer argumentou que a ex-presidente brasileira teve problemas com o Congresso Nacional.

“Houve problemas políticos. Ela teve dificuldades no relacionamento com o Congresso Nacional, teve dificuldade no relacionamento com a sociedade”, defendeu.

“Este conjunto de fatores é que levou multidões às ruas. Quem derruba Presidente, num impeachment, não é o Congresso Nacional. É o povo nas ruas que influencia o Congresso Nacional”, concluiu o antigo presidente brasileiro.

Subscreva para receber notícias semanais e campanhas especiais.

Escrito por João Serra

Publicidade

Publicidade