Início » Notícias » Kiev recebeu armamento no valor de 1.500 milhões de dólares
Internacional Notícias

Kiev recebeu armamento no valor de 1.500 milhões de dólares

kiev

Nos últimos meses, Kiev recebeu armamento no valor de 1.500 milhões de dólares, em contexto de tensões fronteiriças entre a Ucrânia e a Rússia, segundo revelou o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) ucraniano.

Dmitro Kuleba, em conferência de imprensa e citado pela agência noticiosa EFE, afirmou que “Continuamos a construir uma coligação internacional de apoio à Ucrânia. Graças a este trabalho, a Ucrânia recebe hoje mais apoio político, económico e de segurança”.

De acordo com Kuleba, o governo ucraniano procura discutir o fornecimento de armas com Annalena Baerbock, ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, que se deslocou, esta segunda-feira, a Kiev, e com Emmanuel Macron, presidente francês, que chegará à capital ucraniana no dia 8 de fevereiro.

O MNE ucraniano afirmou que irá falar com Baerbock relativamente à recusa do governo de Berlim em permitir a países terceiros ou organizações o envio de armas alemãs para a Ucrânia.

Segundo as autoridades ucranianas, esse bloqueio poderá prejudicar as relações bilaterais com Berlim, que considera tal atitude contraproducente no contexto de tensões na fronteira com a Rússia.

Berlim mantém-se firme na posição de que as armas não podem resolver um conflito, tendo, no entanto, indicado que poderá bloquear o gasoduto Nord Stream 2, entre a Rússia e a Alemanha, em caso de agressão russa.

Por sua vez, os Estados Unidos da América e o Reino Unido têm sido os mais ativos no armamento do exército ucraniano, bem como o Canadá, a Polónia e os Estados Bálticos, que receberam autorização norte-americana para o fornecimento de equipamento.

Oleksii Reznikov, ministro da Defesa ucraniano, afirmou que Berlim prometeu 5.000 capacetes militares e hospitais de campanha, bloqueando, no entanto, o transporte de armamento da Estónia para a Alemanha Oriental.

Reznikov disse, igualmente, que as autoridades continuam a considerar como baixa a probabilidade de uma escalada militar iminente na fronteira.

Já Emmanuel Macron, presidente francês, reúne-se esta segunda-feira com Vladimir Putin, viajando, no seguinte dia, para Kiev e, de seguida, para Berlim, no âmbito dos contactos relacionados com a crise ucraniana.

Macron, em entrevista ao “Journal du Dimanche”, considerou que “O objetivo geopolítico da Rússia hoje em dia não é claramente a Ucrânia, mas sim clarificar as regras de coabitação com a NATO e a UE”.

“A segurança e soberania da Ucrânia ou de qualquer outro Estado europeu não pode ser objeto de compromisso, sendo também legítimo que a Rússia coloque a questão da sua própria segurança”, sublinhou.

Recorde-se que Kiev, bem como os seus aliados ocidentais, acusam a Rússia de ter concentrado dezenas de milhares de tropas na fronteira ucraniana para invadir novamente o país, após a anexação da península da Crimeia em 2014.

Moscovo nega, no entanto, qualquer intenção bélica, condicionando, todavia, o desanuviamento da crise a exigências que diz serem necessárias para garantir a sua segurança.

Desta lista de exigências fazem parte uma garantia de que a Ucrânia não será membro da NATO e de que a Aliança retirará as suas tropas na Europa de Leste para posições anteriores a 1997.

Washington rejeitou as exigências, deixando, no entanto, espaço ​​para conversações sobre outras questões de segurança, como o destacamento de mísseis ou a limitação recíproca de exercícios militares.

Subscreva para receber notícias semanais e campanhas especiais.

Escrito por João Serra

Publicidade

Publicidade