Início » Notícias » Pequim suspende diálogo com Washington após visita de Pelosi
Internacional Notícias

Pequim suspende diálogo com Washington após visita de Pelosi

pequim

Pequim tomou a decisão de suspender o diálogo com Washington em temáticas como o combate ao tráfico de droga, as alterações climáticas e questões militares, como resposta à visita de Nancy Pelosi a Taiwan.

O ministério dos Negócios Estrangeiros chinês anunciou hoje, como parte de uma série de sanções destinadas a punir os Estados Unidos da América (EUA), devido à visita da speaker da Casa dos Representantes norte-americana, Nancy Pelosi, a Taiwan, a suspensão do diálogo com Washington em diversas áreas.

De acordo com o comunicado da diplomacia chinesa, o diálogo entre os comandantes militares e autoridades do departamento de defesa foi cancelado, acontecendo o mesmo às reuniões sobre segurança marítima militar.

O ministério dos Negócios Estrangeiros da China revelou, ainda, que a cooperação em áreas como o regresso de imigrantes ilegais, investigações criminais, alterações climáticas, combate ao tráfico de droga e crimes transnacionais encontra-se igualmente suspensa.

Numa nota anterior, a diplomacia do governo de Xi Jinping anunciou que Nancy Pelosi será também alvo de sanções, sendo que as mesmas não foram ainda especificadas, justificando-as com o facto da responsável não ter tido consideração pelas preocupações da China.

Recorde-se que Nancy Pelosi é a mais alta autoridade dos EUA a visitar Taiwan em 25 anos.

Por sua vez, o gigante asiático já tinha referido que a ilha, enquanto território chinês, não podia ter compromissos próprios com governos de outros países.

Citado pela agência Lusa, o governo da China classificou a visita de Pelosi como “provocatória”, realçando que a mesma “minou a soberania e a integridade territorial da China”.

Foi igualmente anunciada a convocação dos diplomatas europeus na China para protestar contra declarações emitidas pelo G7 e pela União Europeia, que apontaram o dedo às ações militares chinesas perto de Taiwan, algo que Pequim considerou “uma interferência devassa nos assuntos internos” do país.

Escrito por João Serra

Publicidade

Publicidade