Início » Notícias » PJ suspeita de obras de arte falsas na coleção de João Rendeiro
Nacional Notícias

PJ suspeita de obras de arte falsas na coleção de João Rendeiro

PJ

Segundo um despacho judicial da Polícia Judiciária (PJ) a que a SIC Notícias teve acesso, “Foi constatada a forte suspeita de existirem objetos que, apesar de aparentarem corresponder aos que foram apreendidos, poderão não ser os originais”.

Foi na passada segunda-feira, dia 11, que a PJ se deslocou à mansão do ex-presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, na Quinta Patiño, em Cascais, visando verificar uma coleção de arte apreendida há uma década. 

Segundo a SIC Notícias, as autoridades detetaram obras de arte que podem ser falsas. Como noticia o canal televisivo, o tribunal ordenou que todas as esculturas e quadros fossem retirados da habitação de João Rendeiro, com o intuito de serem reavaliados.

No despacho judicial, a PJ refere que “Foi constatada a forte suspeita de existirem objetos que, apesar de aparentarem corresponder aos que foram apreendidos, poderão não ser os originais”.

Em foco estão 124 obras das quais a mulher do ex-banqueiro, Maria de Jesus, é a fiel depositária, sendo que as mesmas passaram a ser de domínio do Estado como garantia de indemnizações aos lesados do BPP.

João Rendeiro, condenado pela justiça a uma pena de prisão, abandonou território britânico, onde se encontrava, num jato privado, estando agora em fuga e afirmando que não pretende voltar a Portugal por se sentir injustiçado.

Recorde-se que a queda do BPP, banco que visava gerir fortunas, aconteceu em 2010, antecedendo diversos escândalos na banca nacional e ocorrendo o caso BPN.

O acontecimento teve diversas e relevantes repercussões, apesar da pequena dimensão da instituição financeira, visto que, em contexto de crise financeira, a probabilidade de contágio ao restante sistema era elevada.

Escrito por João Serra

Publicidade

Publicidade