Início » Notícias » Steinmeier pede debate sobre obrigatoriedade da vacina
Internacional Notícias

Steinmeier pede debate sobre obrigatoriedade da vacina

Steinmeier

Frank-Walter Steinmeier, presidente da Alemanha, pediu, esta quarta-feira, a realização de um debate nacional relativamente à vacinação obrigatória contra a covid-19 em território alemão, realçando que uma medida extrema como essa requer uma justificação compreensiva.

As declarações chegam num contexto de apoio do novo chanceler alemão, Olaf Scholz, a uma medida que torne a vacinação contra a covid-19 obrigatória, que será debatida em parlamento, ainda este mês, sendo que sondagens revelam que a maioria dos alemães apoia uma eventual obrigatoriedade.

No início de uma mesa-redonda onde foi discutido o tema, contando com a presença de alguns cidadãos, Frank-Walter Steinmeier argumentou que a “situação excecional de uma pandemia aumenta a pressão para que o Estado aja, mas não substitui a exigência de pesar argumentos e equilibrar interesses”, acrescentando que a “obrigatoriedade de uma vacina significa uma obrigatoriedade de debate”.

Dado que o papel do presidente alemão é maioritariamente cerimonial, Steinmeier afirmou que não tomará partido no debate, apelando aos envolvidos que respeitem “outras posições”, bem como “os factos e razões que devem ser e continuar a ser a moeda comum”.

Frank-Walter Steinmeier considerou, igualmente, “alegações completamente sem sentido” as que defendem que a Alemanha, em contexto de pandemia, se tornou uma “ditadura”, referindo que tais afirmações “trazem desprezo” às instituições democráticas e ao Estado de direito alemão.

“Entre amigos, no trabalho, nas escolas, nas creches, nas clínicas e asilos, nas câmaras municipais, nos centros de saúde e nos parlamentos, todos estão a tentar descobrir o que é preciso ser feito” para combater a covid-19, disse o presidente o alemão, acrescentando que “é exatamente disso que traz essa luta democrática, também para nós aqui hoje neste debate”.

Na mesa-redonda, estiveram presentes, entre outros, uma enfermeira de Colónia e o chefe de uma casa de repouso em Berlim, sendo que os mesmos enfatizaram a importância da vacinação para que, especialmente, os mais vulneráveis possam permanecer protegidos.

Por outro lado, Cornelia Betsch, professora de comunicação em saúde, referiu que “Muitas pessoas têm simplesmente medo de serem vacinadas e a obrigatoriedade pode criar sentimentos contrários”, tendo defendido, ainda, que são precisos mais esforços para informar os que hesitam sobre as vantagens da vacina.

72,2% dos alemães são considerados “totalmente vacinados”, enquanto pelo menos 44,2% receberam uma dose de reforço adicional.

Entre os grandes opositores à obrigatoriedade da vacina estão alguns membros do Partido Liberal Democrata (FDP), que integra a coligação governamental alemã, e o ex-ministro da Saúde alemão, que prometeu, no verão de 2021, que não iria tomar essa medida.

Subscreva para receber notícias semanais e campanhas especiais.

Escrito por João Serra

Publicidade

Sobre o autor

Notícias

Adicionar Comentário

Clique aqui para enviar um comentário

Publicidade

Publicidade