Início » Notícias » Von der Leyen: UE deve “deixar a dependência do gás russo”
Internacional Notícias

Von der Leyen: UE deve “deixar a dependência do gás russo”

von der leyen

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, defende que é dever da União Europeia (UE) “continuar a garantir o fornecimento confiável, seguro e acessível de energia aos consumidores europeus a médio prazo”.

Ursula von der Leyen considerou, esta sexta-feira, dia 11, que a UE deve largar a sua dependência do gás proveniente da Rússia, devido ao contexto de guerra vivido na Ucrânia causado pela invasão russa.

“A maneira como respondemos hoje a este odioso ataque da Rússia contra a Ucrânia determinará o futuro da Ucrânia e também o futuro da nossa união e, além disso, até o futuro de todo o continente europeu”, referiu von der Leyen, numa conferência de imprensa, em Versalhes, com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e o presidente francês, Emmanuel Macron.

A presidente da Comissão Europeia defendeu, ainda, que é dever da UE “continuar a garantir o fornecimento confiável, seguro e acessível de energia aos consumidores europeus a médio prazo”, significando “deixar a dependência do gás russo e diversificar a oferta, investindo massivamente em energias renováveis”.

Ursula von der Leyen teceu, igualmente, fortes críticas ao presidente russo, Vladimir Putin, acusando-o de “agressão contra os princípios europeus, contra a democracia, contra a soberania dos Estados e contra as liberdades das populações” ao invadir a Ucrânia, que “é um membro da família europeia”.

De acordo com a responsável, a guerra “alterou o ambiente de segurança da Europa” e que, “para defender a Europa”, são necessárias “forças e capacidades diferentes”.

“Agradeço os investimentos adicionais significativos em defesa da Europa que serão necessários, e agradeço o facto de alguns líderes terem anunciado medidas ambiciosas para aumentar as despesas na defesa”, sublinhou.

Desde o começo da invasão russa a solo ucraniano, mais de 2,5 milhões de pessoas já abandonaram a Ucrânia, sendo que metade desta quantia representam crianças.

Subscreva para receber notícias semanais e campanhas especiais.

Escrito por João Serra

Publicidade

Publicidade