Quantcast
CulturaCultura & Viagens

International Booker Prize 2023: conhece os nomeados

International Booker Prize 2023

Descobre quais são os nomeados para o International Booker Prize 2023, um dos mais relevantes prémios de ficção.

A System So Magnificent It Is Blinding – Amanda Svensson

Este livro da autora sueca, Amanda Svensson, fala-nos de uma família de trigémeos, que é surpreendida pelo divórcio dos pais. Os irmãos acabam por seguir diferentes caminhos na vida, reunindo-se, no entanto, quando a mãe anuncia o desaparecimento do pai, bem como um segredo que chocará cada um deles. 

Ninth Building – Zou Jingzhi

Esta é a primeira obra traduzida para inglês do escritor chinês, contando a sua história de vida, que contém chocantes relatos sobre a sua infância e adolescência durante a Revolução Cultural na China.

Pyre – Perumal Murugan

Em “Pyre”, o controverso autor indiano, Perumal Murugan, aborda o romance proibido entre duas pessoas de diferentes castas, expondo a violência e ódio deste tipo de divisão social, que tem ainda hoje uma vincada presença na comunidade hindu.

Still Born – Guadalupe Nettel

Guadalupe Nettel, condecorada autora mexicana, volta em força, com uma história acerca de duas mulheres altamente focadas na sua carreira profissional. A grande diferença entre as duas? Enquanto Aline decide ter uma criança, Laura pretende realizar um procedimento de esterilização definitiva.

Este emocionante livro foca-se, no entanto, na forma como estas decisões são postas em causa pelas duas mulheres.

The Birthday Party – Laurent Mauvignier

O autor francês tem apenas três livros traduzidos, sendo “The Birthday Party” uma das sortudas obras.

Neste thriller de dar ansiedade, Mauvignier conta a história de um dia como qualquer outro de uma família francesa, que acaba por mudar abruptamente quando a filha e a mãe são raptadas.

While We Were Dreaming – Clemens Meyer

O autor alemão leva ainda uma carreira curta, mas com esta obra nomeada para o International Booker Prize 2023 promete dar que falar!

While We Were Dreaming” conta a história de quatro jovens que ficam a conhecer o ambiente e liberdade de uma cidade unificada, depois da queda do Muro de Berlim, no ano de 1989.

Is Mother Dead – Vigdis Hjorth

Vigdis Hjorth já conta com duas dezenas de livros na carreira, sendo que “Is Mother Dead” é um dos apenas quatro títulos com “direito” a tradução. Este romance relata a história de Johana, uma pintora que tem uma relação turbulenta com a sua mãe ausente.

Jimi Hendrix Live in Lviv – Andrey Kurkov

Neste romance, o autor ucraniano, nascido na Rússia, procura enaltecer a magia e beleza da cidade de Lviv, bem como Jimi Hendrix, um dos melhores guitarristas de todos os tempos e um dos principais nomes da história da música.

The Gospel According to The New World – Maryse Condé

A autora guadalupense de 86 anos escreveu o seu primeiro romance com apenas 11, sendo que agora está nomeado aquele que Condé considera ser a sua última obra, que serve, essencialmente, como adaptação de alguns capítulos da Bíblia, mas para o mundo atual.

Time Shelter – Georgi Gospodinov

O autor búlgaro fala, nas páginas de “Time Shelter”, sobre um terapeuta que desenvolve um novo e invulgar tratamento para doentes de Alzheimer, que envolve uma clínica composta por diversas divisões onde são recriadas as memórias do paciente.

Standing Heavy – GauZ

Armand Gbaka-Brédé, mais conhecido por GauZ, é um autor natural da Costa do Marfim, que alcança uma nomeação para o International Booker Prize 2023 com o seu primeiro livro, “Standing Heavy”, publicado em 2014.

Esta obra relata as dificuldades socioeconómicas de três irmãos costa-marfinenses, enquanto se tentam adaptar à vida em Paris.

Boulder – Eva Baltasar

Este romance da autora espanhola, Eva Baltasar, constituído por pouco mais de uma centena de páginas, conta a história de um casal de mulheres e as mudanças na vida do mesmo depois de tomarem a decisão de serem mães.

Whale – Cheon Myeong-kwan

O último da lista, “Whale” relata o lado negro da vida no pós-guerra na Coreia, abordando temas como injustiça social e corrupção, expondo que, mesmo com o fim de uma guerra, a paz nem sempre se segue.

Posts relacionados
CulturaCultura & ViagensFestivais

Iberanime no Porto: A 12º edição está de volta

Cultura & ViagensFestivaisLisboaPodcasts

Podes 2023: o Festival de podcasts português está de volta!

Cultura & ViagensFestivaisLisboaNatureza

Wanderlust 108 Lisboa: 7º edição

Cultura & ViagensTecnologia

VPN: o que é, como funciona e quais as vantagens