Quantcast
FinançasFinanças Pessoais

Apps Financeiras: uma grande ajuda na gestão das suas contas pessoais

apps financeiras

Tal como acontece em vários domínios da nossa vida, a tecnologia vem em nosso auxílio quando o assunto é poupar através de apps financeiras que fazem, quase todo, o trabalho de gestão financeira.

Poupar implica gerir bem os nossos recursos financeiros, algo que estas apps estão preparadas para fazer por si, ajudando-o a imprimir disciplina às suas contas pessoais com um simples toque no seu smartphone.

Como escolher a app financeira que melhor se adequa às suas necessidades de poupança?

É caso para dizer que apps financeiras há muitas. De forma a escolher aquela que melhor se adequa às suas necessidades de poupança, há alguns factores que deverá levar em conta na altura da escolha.

No processo de pesquisa e escolha, a primeira coisa a fazer antes do download para o seu smartphone é ler as avaliações e classificações que os outros utilizadores atribuem às diferentes apps. 

Estas avaliações são importantes, mas deve ter sempre em mente os seus objetivos financeiros. Isto é, a escolha da app tem de estar alinhada com as suas necessidades de poupança. Se quer apenas gerir o se orçamento mensal e saber quanto gasta em cada tipo de despesa, provavelmente, a app a utilizar será diferente daquela que utilizará se o seu objetivo é poupar e obter dicas para investimentos.

Para além disto, verifique se a app é gratuita ou se terá de pagar para aceder a determinado tipo de funcionalidades. Caso as versões gratuitas lhe ofereçam as ferramentas que procura, esqueça as apps pagas, mas se existe uma funcionalidade que tem de ser paga, mas que considera importante para a melhor gestão do seu orçamento, então considere pagar.

O objetivo de uma app financeira é simplificar a forma como gere o seu dinheiro, por isso, na altura de escolher procure uma que seja fácil de usar e intuitiva para que não tenha de despender muito tempo e atenção a analisar a informação fornecida.

Por último, é importante não descurar a segurança. Lembre-se que a app irá trabalhar com informação pessoal sensível, como é o caso dos dados bancários, e ter acesso às suas contas. Por isso, o nosso conselho é para que escolha apps de fontes seguras e, por exemplo, não utilize redes de wi-fi públicas nem partilhe os dados de acesso.

Três apps financeiras a não perder de vista em 2023

 

  • Mint

A Mint é, sem grandes dúvidas, uma das mais conhecidas apps financeiras presentes no mercado, muito graças à sua simplicidade e capacidade de o consumidor poder ter as suas contas organizadas num só lugar.

Entre as várias funcionalidades desta app encontra-se a possibilidade de sincronizar as suas contas bancárias, cartões de crédito e contas mensais.

  • Boonzi

Em Portugal, a tecnologia também é levada muito a sério e prova disso é a app 100% made in Portugal Boonzi.

Em termos funcionais, esta app de gestão financeira, permite não só centralizar num único sitio todas as suas despesas, receitas e contas bancárias centralizadas, como também analisar os seus gastos pintando-lhe um quadro completo dos seus hábitos de consumo que lhe permitirá perceber onde cortar para poupar.

De forma simples e intuitiva, a app Boonzi permite-lhe, entre outras coisas, ter acesso a gráficos por categoria e entidade, despesas vs. receitas ou variação do saldo bancário.

  • Toshl Finance

Para além de ajudá-lo a monitorizar todas as suas contas e cartões mostrando-lhe, no processo, os fluxos de dinheiro, a altamente recomendada Toshl Finance permite analisar as suas finanças durante determinados períodos de tempo, para que lhe seja mais fácil identificar onde gastou demais e corrigir essas falhas aquando da elaboração de orçamentos futuros.

Related posts
FinançasNacional

Consignação do IRS: Entidades 2024

FinançasFinanças PessoaisNacional

IRS Automático: quem está abrangido e como usar?

FinançasFinanças PessoaisNacional

Reforma por invalidez: tudo o que precisas de saber

FinançasFinanças PessoaisInvestimentosNacional

Fundo Poupança Reforma: quais os benefícios fiscais