Quantcast
NutriçãoSaúde & Bem Estar

Saiba quais são as piores horas para jantar, de acordo com especialistas

piores

De acordo com um grupo de cientistas da Universidade de Harvard, existem horários piores que outros para jantar.

Segundo um estudo recente, levado a cabo por um grupo de investigadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e publicado na revista científica “Cell Metabolism”, quem tem por hábito jantar depois das 22h00 corre um maior risco de desenvolver obesidade no futuro.

Conforme revelam os especialistas, este hábito encontra-se associado a uma desaceleração do metabolismo nas horas seguintes à refeição, bem como a um aumento da fome na manhã seguinte, tornando este um dos piores horários para jantar.

Analisando 16 voluntários com excesso de peso ou obesidade, com idades compreendidas entre os 20 e os 60 anos, os mesmos foram divididos em dois grupos, sendo que o primeiro realizou a última refeição do dia às 18h00, enquanto que o  segundo começou a jantar pelas 22h00. Ambos os grupos tiveram a mesma refeição.

Os voluntários registaram o nível de apetite que sentiram ao longo do dia, tendo os cientistas recolhido, de seguida, dados sobre a temperatura corporal e gasto energético, bem como amostras de sangue de cada um dos indivíduos.

Foram também controlados fatores ambientais que pudessem interferir com as conclusões da investigação, como a exposição à luz, a prática de atividade física e a qualidade do sono. Os voluntários foram também instruídos a deitarem-se e a despertarem dentro do mesmo horário no decorrer das três semanas anteriores ao início deste estudo científico.

De acordo com as conclusões dos investigadores, os indivíduos que realizaram a última refeição às 22h00 não foram capazes de queimar tantas calorias no dia seguinte como os restantes, sendo que tiveram ainda uma produção maior de grelina, uma hormona que promove a sensação de fome. Foi também verificada uma menor produção de um composto químico responsável por regular a saciedade, com o nome de leptina.

“Descobrimos que comer quatro horas depois tem uma diferença significativa nos nossos níveis de fome, na forma como queimamos calorias depois de comer e no modo como armazenamos gordura”, afirmou Nina Vujović, uma das principais autoras do estudo.

Leia também sobre como cobertores pesados podem ter uma influência positiva no seu sono!

Escrito por João Serra

Related posts
SaúdeSaúde & Bem Estar

Ácido úrico elevado: o que é, sintomas e causas

SaúdeSaúde & Bem Estar

Blefarite: como tratar a inflamação das pálpebras

SaúdeSaúde & Bem Estar

Rosácea: mais do que vermelhidão

NutriçãoSaúdeSaúde & Bem Estar

Leite de vaca: 10 benefícios para a saúde