Quantcast
FinançasFinanças PessoaisNacional

Seguro de Saúde: erros a evitar na contratualização

Seguro de Saúde

Cada vez mais portugueses estão a contratualizar seguros de saúde, mas nem todos sabem bem a que prestar atenção quando o fazem.

De acordo com os dados do estudo Basef Seguros da Marktest para o acumulado do ano 2020, 2 milhões e 956 mil portugueses possuíam ou beneficiavam de seguro de saúde, um valor que corresponde a 32.9% do universo composto pelos residentes em Portugal com 15 e mais anos.

Como se percebe, cada vez mais portugueses estão a contratualizar seguros de saúde, mas nem todos sabem bem a que prestar atenção quando o fazem. Atualmente, muitas pessoas recorrem aos hospitais privados para tratar da sua saúde, mas estes, apesar de mais rápidos na resposta, quando comparados com serviços públicos, também acarretam despesas. Assim, é particularmente relevante que o seguro de saúde possa cobrir parte dos gastos.

É pois muito importante ter muita atenção a todos os pormenores e é por isso que vamos mostrar alguns erros que deve evitar quando estiver a contratualizar um seguro de saúde.

Erros a evitar na contratualização de um Seguro de Saúde

  • Não confirmar os detalhes de cobertura

Ao não verificar os detalhes de cobertura pode estará a pavimentar o caminho para ter alguma surpresa não muito agradável no futuro, uma vez que, neste segmento, a oferta é muito variada: uns são mais abrangentes nas coberturas, e outros um pouco mais restritivos.

Por exemplo, alguns seguros de saúde cobrem consultas e exames, outros, mais básicos, apenas cobrem consultas. Assim, é importante perceber quais são as suas necessidades antes de contratualizar de forma a não se deparar com uma situação em que o especialista de que necessita não está coberto pelo seguro.

  • Não ponderar um seguro de saúde com cobertura superior

Com a saúde não se brinca e mesmo que enquanto somos saudáveis, pensamos que apenas precisamos de uma cobertura básica. No entanto, se mais tarde algo acontecer algo, pode não estar preparado para as despesas extra. Planos de saúde básicos oferecem apenas um certo número reduzido de consultas e exames, e têm um plafond baixo para internamentos. Logo, se vier a necessitar de um internamento prolongado ou de realizar vários exames, sem a devida cobertura, terá de suportar todas as despesas.

  • Ocultar dados médicos

Apesar de não ser muito comum, atualmente existem muitas seguradoras que não pedem historial médico para poder proceder à contratualização. No entanto, algumas ainda o fazem. Neste caso, procure não ocultar nenhum facto relevante, já que o reembolso pode ser-lhe negado por esse motivo. As seguradoras normalmente acautelam estas situações e há cláusulas que as salvaguardam.

  • Não compreender os custos na totalidade

Não compreender os custos associados na totalidade também pode vir a ser um problema, por isso é importante que tome muita atenção a todas as exceções das cláusulas e, em caso de dúvida, deve pedir esclarecimentos junto da seguradora.

Para além disto, é ainda importante que esteja particularmente atento às franquias, isto é, a parte dos custos que fica a cargo do tomador do seguro. Os Seguros de saúde com franquia, regra geral, têm valores mensais mais baixos e apelativos. No entanto, deve ter em conta que as despesas não são totalmente cobertas e terá de assumir parte dos custos.

  • Não procurar diferentes opções

Tal como acontece com outro tipo de produtos financeiros, a escolha de um seguro de saúde não deve ser feita à pressa. Faça simulações online, contacte várias seguradoras diretamente ou utilize mediadores de seguro que fazem o trabalho de comparação por si e lhe apresentam as melhores opções.

Subscreva para receber o mais recente conteúdo sobre finanças e campanhas especiais.

Related posts
FinançasFinanças PessoaisInvestimentosNacional

Quer resgatar o seu PPR? Saiba como

FinançasFinanças PessoaisNacional

Permuta de casa: em que consiste?

FinançasFinanças PessoaisNacional

Vai comprar a sua primeira casa? Tome nota destas dicas!

FinançasNacionalSubsídios

Pensão de viuvez: quem tem direito e como pedir?