Quantcast
CarreiraCursosFormação & Carreira

Programa Erasmus: como funciona?

Programa Erasmus

Fique a conhecer como é que funciona e como é que se pode candidatar ao programa de Erasmus.

Poder continuar os estudos a partir de outro país é uma hipótese muito entusiasmante para alguns estudantes. Conhecer novas cidades, envolver-se com diferentes culturas e fazer novas amizades são alguns dos motivos que levam os jovens a interessar-se pelo programa Erasmus. O programa, que era anteriormente destinado apenas aos estudantes, está aberto atualmente a outros jovens e não só aos que ainda se encontram a estudar.

O programa Erasmus

O programa Erasmus, criado em 1987, é um programa de mobilidade destinado a cidadãos da União Europeia. Foi desenvolvido com o intuito de promover a aprendizagem e o desenvolvimento dos jovens, na maioria universitários, que procuram uma experiência no estrangeiro.

Apesar de estar na maioria das vezes associado a estudantes universitários que se deslocam temporariamente para o estrangeiro para continuar os estudos, também é possível estagiar numa empresa, fazer formação ou ainda realizar voluntariado no estrangeiro através do mais recente programa Erasmus+.

Erasmus+

Em 2014, com o objetivo de envolver novos formatos de intercâmbio e incluir diferentes países o programa passou a chamar-se Erasmus+.

A quem se destina

  • Estudantes
  • Estagiários
  • Formandos
  • Voluntários
  • Professores
  • Formadores
  • Animadores de juventude
  • Profissionais no domínio da educação, formação, juventude ou desporto.

Os benefícios do programa

O programa ajuda os estudantes a terem melhores perspectivas de emprego e a tornarem-se mais independentes. É útil para desenvolver competências linguísticas, reforçar a empatia e consciência social. Além disso, é uma forma de conviver com diferentes culturas e desenvolver mais autoconfiança.

As vantagens para os estudantes

Um estudante universitário que faça parte do programa fica isento do pagamento da inscrição e das propinas na universidade de acolhimento. Outra das vantagens é que o período que passa a estudar no estrangeiro é contabilizado no diploma, o que quer dizer que quando regressa não precisa de repetir os exames das cadeiras que completou fora do país.

A candidatura

Para se candidatar em nome próprio, deve fazê-lo a partir de uma organização, por exemplo a Universidade que frequenta. A inscrição é feita posteriormente na organização de destino. 

Informe-se junto da organização em relação às ofertas existentes em relação à mobilidade e informe-se sobre os prazos definidos pela instituição.

Os países para onde se pode candidatar

No programa de Erasmus estão incluídos os 28 países pertencentes à União Europeia mais a República da Macedónia do Norte, a Islândia, o Liechtenstein, a Noruega, a Sérvia e a Turquia.

A escolha do país destino está, no entanto, dependente dos acordos que a organização pela qual se candidata possui.

Bolsa de apoio à mobilidade

Pode pedir uma bolsa de Erasmus de modo a suportar as despesas de deslocação, alojamento e alimentação. Ainda que a atribuição não seja garantida a todos os participantes no programa de mobilidade, o melhor é mesmo tentar fazer o pedido já que os custos acabam por ser elevados. O valor da bolsa depende de alguns fatores como o número de candidatos e a distância entre os países.

Subscreva para receber o mais recente conteúdo sobre formação, carreira e campanhas especiais.

Related posts
Direitos do TrabalhadorFormação & Carreira

Queres tirar uma licença sem vencimento? Sabe como fazê-lo!

Direitos do TrabalhadorFormação & Carreira

Viajar em trabalho: direitos e deveres

Bem-Estar no trabalhoFormação & Carreira

Síndrome pós-férias: como evitar?

Direitos do TrabalhadorFormação & Carreira

1 de maio: Direitos fundamentais dos trabalhadores