Quantcast
NutriçãoSaúdeSaúde & Bem Estar

Diabetes tipo 2: o que tens de saber

Diabetes tipo 2

A diabetes tipo 2 é uma doença crónica muito associada ao estilo de vida. Todos os dias são diagnosticadas 200 pessoas com diabetes em Portugal, um número assustador que tem vindo a aumentar cada vez mais, e do qual se estima que em 2030 seja a sétima causa de morte em todo o mundo. Em Portugal, afeta mais homens que mulheres e estima-se que cerca de um quarto dos portugueses entre os 60-79 anos vivem com esta doença.

Segundo dados da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) as diabetes matam uma pessoa no mundo a cada oito segundos.

O que é a Diabetes?

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a Diabetes Mellitus é uma doença crónica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina (hormona reguladora de açúcar no sangue) suficiente, ou quando o corpo não pode utilizar eficazmente a insulina que produz. O que se traduz num aumento de glicose (açúcar) no sangue (hiperglicemia), que a longo prazo pode provocar diversas complicações no organismo. Existem diversos tipos de diabetes, sendo os mais comuns, Diabetes Tipo 1, Diabetes Tipo 2 e Diabetes Gestacional.

Diabetes tipo 2

Cerca de 90% dos casos de diabetes são classificados como diabetes tipo 2, sendo considerada a mais frequente. A diabetes tipo 2 é uma doença crónica, onde o pâncreas se torna incapaz de produzir insulina suficiente ou o organismo não a consegue utilizar e está também associada a estilos de vida menos saudáveis, nomeadamente, a uma alimentação desequilibrada e de elevado valor energético, ao sedentarismo e afeta sobretudo pessoas adultas e idosas, com excesso de peso ou obesidade, e onde há frequentemente historial familiar.
As consequências podem ser graves, dado que a doença afeta o funcionamento de órgãos como o coração, o cérebro, a pele, os rins, entre outras partes do corpo.

O que acontece ao nosso corpo?

Para poder funcionar, o nosso organismo precisa da energia fornecida pela glucose, o açúcar que resulta do processo de digestão dos alimentos. Para que a glucose possa ser usada é necessária a intervenção da insulina, uma hormona que é segregada pelo pâncreas.

O pâncreas liberta insulina, a hormona que controla o armazenamento e a utilização do açúcar no sangue. Assim, a diabetes ocorre quando:

  • O pâncreas produz insulina em quantidade insuficiente ou não é capaz de produzir nenhuma quantidade de insulina
  • Quando o organismo não responde adequadamente à insulina- condição de “resistência à insulina”

Esta doença é responsável por várias complicações que diminuem a qualidade de vida, podendo provocar a morte precoce, e infelizmente não tem cura. 

Como podemos prevenir o aparecimento da diabetes tipo 2?

Estilo de vida ativo: Praticar atividades físicas regularmente ajuda a controlar o peso, melhora a sensibilidade à insulina e reduzir o risco de diabetes tipo 2. As caminhadas diárias, natação, ciclismo ou dança são ótimas opções que ajudam a prevenir o aparecimento da diabetes tipo 2.

Alimentação Saudável: O cliché para uma vida melhor, mas a melhor opção de sempre. Opta por uma dieta rica em vegetais, frutas, grãos integrais, proteínas magras e gorduras saudáveis. Evita o consumo excessivo de açúcar, alimentos processados e gorduras saturadas. Controlar o tamanho das porções que comes também é importante.

Mantem um peso saudável: Manter um peso adequado é crucial para prevenir a diabetes tipo 2. Perder até mesmo uma pequena quantidade de peso, caso estejas acima do peso ideal, pode fazer uma grande diferença na redução do risco e prevenção para a diabetes tipo 2.

Exames com regularidade: Consulta o teu médico regularmente e faz análises ao sangue, para verificar os níveis de açúcar no sangue, pressão arterial e colesterol. Prevenir é o melhor remédio.



Related posts
Saúde & Bem EstarSaúde Mental

Ansiedade: identifica os sintomas e descobre como prevenir

SaúdeSaúde & Bem Estar

Ácido úrico elevado: o que é, sintomas e causas

SaúdeSaúde & Bem Estar

Blefarite: como tratar a inflamação das pálpebras

SaúdeSaúde & Bem Estar

Rosácea: mais do que vermelhidão