Quantcast
Bem-Estar no trabalhoFormação & CarreiraTendências

Salário emocional: como as empresas podem atrair e reter talentos?

Salário emocional: Como as empresas podem atrair e reter talentos?

O salário foi durante muitos anos o principal motivo na escolha de um trabalho. No entanto, atualmente, os trabalhadores procuram uma ligação emocional à empresa — o apelidado salário emocional. Neste artigo, vamos explorar o seu conceito e como pode ser usado para motivar os funcionários e melhorar a produtividade da empresa.

O mercado está em constante evolução, e, com ele, as expetativas dos profissionais em relação às empresas. Enquanto antes o salário financeiro era o principal motivador, os profissionais modernos valorizam cada vez mais aspetos intangíveis no ambiente corporativo.

De acordo com o relatório “Employer Brand Research 2023” da Randstad, que inquiriu 5.255 pessoas em Portugal, “os benefícios não materiais são quase tão importantes como os benefícios materiais”.

Ou seja, neste relatório constataram que os benefícios não-materiais são importantes para 86% dos inquiridos quando escolhem um empregador em vez de outro, o que é quase tão importante como os benefícios materiais (88%), sendo uma boa relação com a direção e/ou os colegas o benefício não material mais importante (78%).

Assim, o salário emocional funciona como uma forma de recompensar os funcionários pelo seu trabalho e de mantê-los motivados. Esses benefícios podem incluir desde um ambiente de trabalho agradável até oportunidades de desenvolvimento profissional. 

No entanto, muitas empresas ainda não reconhecem a importância do salário emocional. Elas concentram-se apenas no salário e nos benefícios financeiros, ignorando os benefícios não financeiros, que podem ser tão importantes para os funcionários. 

O que é o salário emocional?

O salário emocional é um termo utilizado para descrever todos os benefícios não financeiros que os empregados recebem, para recompensá-los pelo seu trabalho e aumentar os seus níveis de satisfação no trabalho.

Embora não se reflitam nos recibos de vencimento, estas outras formas de remuneração aumentam o bem-estar geral e a satisfação profissional dos trabalhadores. Por exemplo, horários de trabalho flexíveis, opções de trabalho remoto, cobertura de seguro de saúde e espaços de lazer no local de trabalho. 

Essa forma de compensação abrange diversos fatores intangíveis que têm um impacto profundo na motivação e satisfação no dia a dia dos colaboradores e vão desde um ambiente de trabalho agradável até o reconhecimento do trabalho e as oportunidades de desenvolvimento profissional.

A importância do salário emocional

As emoções são responsáveis por tudo aquilo que o dinheiro não pode comprar, e por isso, as situações que promovem emoções positivas atraem e prendem as pessoas à empresa. 

É aqui que entra o salário emocional — em vez de oferecer dinheiro, concede um conjunto de emoções que fazem com que as pessoas queiram manter-se numa empresa. 

Claro que a ideia de salário emocional não pretende desvalorizar a importância de uma boa componente salarial. As pessoas merecem ser recompensadas pelo seu trabalho. No entanto, é inegável que os funcionários não são motivados apenas pelo dinheiro.

Assim, há vários fatores que, direta ou indiretamente, motivam os funcionários e trazem resultados muito positivos para as empresas, como:

  • Aumento da produtividade;
  • Melhoria do clima organizacional;
  • Redução do absentismo laboral;
  • Redução do turnover;
  • Maior capacidade de atração e retenção de talentos;
  • Otimização de recursos.

Quando uma empresa não oferece um salário emocional adequado, os funcionários podem se sentir desmotivados e insatisfeitos. O que pode levar a uma alta rotatividade de funcionários e a uma diminuição da produtividade.

Como implementar?

Para implementar o salário emocional eficaz, as empresas precisam primeiro entender o que os seus funcionários valorizam. Isso pode ser feito por meio de pesquisas e entrevistas com os funcionários. 

Depois de entender o que os funcionários valorizam, as empresas podem começar a implementar benefícios não financeiros que atendam às necessidades dos funcionários.

Ainda assim, existem alguns tipos de salário emocional que são consensuais e que as empresas devem considerar:

Horários flexíveis

Mais importante do que cumprir um horário rigorosamente definido é garantir que os teus empregados cumprem as suas tarefas de forma satisfatória. Para isso, nem sempre é necessário que estejam todos os dias no escritório das 9 às 18 horas.

Assim, dá-lhes alguma flexibilidade de horários (por exemplo, permitir a saída às 15h00 na sexta-feira) ou até mesmo trabalho remoto para ajudar no equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

Além disso, a flexibilidade no horário de trabalho pode ajudar a reduzir o stress e a fadiga dos funcionários, o que pode levar a uma maior produtividade.

Trabalho remoto

A exigência do teletrabalho durante a pandemia da Covid-19 veio demonstrar que a presença dos colaboradores no escritório nem sempre é imprescindível. Se isto for verdade para a tua empresa, e se, por qualquer razão, os trabalhadores preferirem trabalhar a partir de casa, concede-lhes essa possibilidade.

Formação contínua

Oferecer oportunidades de desenvolvimento profissional, como treinamento, workshops e cursos, entre outras; não só pode ajudar os funcionários a melhorarem as suas habilidades e conhecimentos, como pode levar a uma maior satisfação no trabalho.

Por isso, proporciona oportunidades de formação aos teus trabalhadores e mostra-lhes que te importas com o desenvolvimento pessoal e profissional deles.

Retribuição flexível e benefícios sociais

A retribuição flexível é uma parte importante do salário emocional. Ela consiste em benefícios que as empresas oferecem aos seus colaboradores, além da componente salarial.

Aposta numa política de benefícios sociais para aumentar a satisfação dos colaboradores, garantir o bem-estar no local de trabalho e promover o seu envolvimento e sentimento de pertença à organização. 

Entre as iniciativas que podem ser seguidas pelas empresas, estão o reforço de coberturas nos seguros de saúde (como a de psicologia), a oferta de vales de apoio à infância e à educação ou a oferta do dia de aniversário.

Bom ambiente de trabalho

As pessoas passam uma grande parte do seu dia a trabalhar. Por essa razão, é tão importante garantir um ambiente de trabalho agradável para a felicidade e conforto das pessoas no trabalho.

De fato, criar laços de confiança entre colegas e fazer parte de uma boa equipa de trabalho é um fator determinante para que o trabalhador se sinta realizado no seu emprego e, por consequência, levar a uma maior produtividade.

Para o efeito, deves aplicar medidas para garantir que os colaboradores se sintam acolhidos, envolvidos pela equipa e satisfeitos com o ambiente à sua volta. Na lista de medidas que deves implementar estão manter um espaço de trabalho limpo e organizado, uma decoração agradável e confortável, e um ambiente livre de conflitos e tensões. 

Espaços e momentos de lazer

O bom ambiente de trabalho também é influenciado pelo próprio local de trabalho e pela rotina laboral. Se tiveres espaço nas instalações da tua empresa, pensa em criar um local de lazer onde os colaboradores possam relaxar e conviver. 

Além disso, organiza iniciativas que promovam a interação e o convívio entre funcionários e familiares, especialmente nas datas comemorativas. 

Reconhecimento pelo trabalho bem-feito

Reconhecer e recompensar o desempenho excecional dos funcionários pode ser muito valioso para os funcionários. As empresas que oferecem este tipo de reconhecimento podem ajudar os funcionários a sentirem-se valorizados e apreciados, o que leva a uma maior satisfação no trabalho e a uma maior produtividade.

Isso inclui elogios, prémios e outras formas de reconhecimento que destacam as conquistas do trabalhador.

Related posts
Bem-Estar no trabalhoEmpreendedorismoFormação & Carreira

Bem-estar financeiro dos colaboradores

Formação & CarreiraNotícias

Estágios Ativar.pt: Candidaturas abertas para jovens desempregados

Direitos do TrabalhadorFormação & Carreira

Ajudas de custo: o que diz a lei e quais os valores?

Direitos do TrabalhadorFormação & Carreira

Viajar em trabalho: direitos e deveres